Agora que câncer não é só um signo

Lidar com um diagnóstico de câncer não é fácil. Conhecemos muitas pessoas que sofrem, ou já sofreram com essa doença, mas ainda não inventaram um manual de como lidar com essa nova realidade e os desafios que ela lhe apresenta. Não existe receita mágica, nem truques pra facilitar a aceitação na hora em que o mundo desaba.

E foi isso que eu senti, aos 29 anos de idade, recém casada, universitária pela segunda vez, “no auge” como dizem por aí, como se o meu mundo, os meus sonhos tivessem se desmoronando. O nódulo no seio que eu encontrei no dia dos namorados de 2016, deixou de ser um “isso não deve ser nada” pra ser tornar um carcinoma de deixar muitas pessoas de boca aberta, inclusive eu. Sem histórico familiar, escapando das estatísticas padrão, sem nunca ter feito uma mamografia se quer, me vi sem rumo… perdida. Não tive o ímpeto de sobrevivência, invejei o discurso de muitas mulheres quando lia “vou lutar pela minha vida a qualquer custo”. Optei por vivenciar cada dor da maneira mais genuína possível… Me acabei de chorar quando optei por fazer mastectomia radical bilateral uma estratégia agressiva pra eliminar todo vestígio dessa doença no meu corpo e evitar que ela retorne no futuro). Me afoguei em lágrimas quando soube que precisaria fazer quimioterapia preventiva e ela poderia me levar a infertilidade, destruindo meus sonhos da maternidade. Sofri com a perda dos cabelos, não pelos cabelos em si… mas pelo que a careca representa, por me ver com o estigma da doença e ter que lidar com olhares e piedade de pessoas que eu nem conheço. Nesse processo todo, lá se vão 3 meses… 90 dias de pura desconstrução e reconstrução.

Hoje eu percebo que eu choro menos, rio mais… faz parte do processo. O tempo é um santo remédio. Ele cura algumas feridas, te fez esquecer algumas coisas, relembrar outras. Sem perceber, vou sobrevivendo sem estratégias mirabolantes, deixando a vida seguir seu curso, me adaptando, reinventando. Gosto da minha careca lisinha, faço carinho em mim mesma…aperto minhas próteses com jeitinho pra me sentir sexy e vou seguindo.

Me disseram que vai ser transformador… no começo eu duvidei, mas ao escrever esse texto eu vejo que na verdade as transformações já começaram. Talvez não do jeito que eu gostaria, mas elas estão acontecendo.Ter câncer é isso… lidar com as transformações impostas por uma doença que foge completamente do nosso controle. É perceber que as idealizações só existem na nossa cabeça. O que a realidade nos reserva, só o tempo poderá nos dizer…aquele mesmo tempo que cura, é o tempo que indicará o caminho.

Obviamente, eu queria ser só mais uma pessoa na multidão… hoje eu sou de leão com um câncer de mama em tratamento.

3 thoughts on “Agora que câncer não é só um signo

  1. Ivi Derzi

    Adoro suas postagens no blog, são tão genuínas, é como se a gente conseguisse dar uma espiadinha de como é aí dentro de vc, sem idealizações, só verdade, e daí a beleza!! Continue firme, moça! Estou na torcida 🙂

  2. Nádia Piacesi

    Li chorando, comecei a te acompanhar a pouco tempo e já posso dizer que te admiro muito. Você é uma vencedora : )

Comments are closed.